sábado, 24 de junho de 2017

Entrevista Coletiva - Impactos da nova Lei de Zoneamento e Uso do Solo de Curitiba

23/06/2017 - Band Curitiba


Entrevista Coletiva deste sábado (24/06/2017) discutiu os impactos da nova Lei de Zoneamento e Uso do Solo de Curitiba. Participaram da conversa os especialistas:

sábado, 17 de junho de 2017

Entrevista - Campo Largo em destaque

17/06/2017 - Band Curitiba

Band Entrevista - Marcelo Puppi, prefeito de Campo Largo

https://www.youtube.com/watch?v=IdNHfSSLZZ0&t=0s

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Livro relata como a arquitetura e o urbanismo de Curitiba impactam as relações entre as pessoas

01/06/2017 - Paraná Shop

Lorena Oliva

Leitura, Arquitetura e Urbanismo são parte da programação desta sexta-feira (2) com o lançamento do livro ”Textos sobre Curitiba – Investigações sobre a Cidade e seus arredores” na Livraria Cultura do Shopping Curitiba às 19h. O evento é gratuito e aberto ao público.

O livro relata como as áreas de Arquitetura e Urbanismo ajudam a estabelecer afinidades entre os seres humanos, envolvendo espaços e objetos. Esta afinidade pode ser vista por meio dos espaços livres, das formas urbanas, das construções, dos patrimônios e das percepções.

A autoria é de Alessandro Filla Rosaneli e de Paulo Marcos Mottos Barnabé. Alessandro é pós-doutor, atua como professor e é especialista nas áreas de Urbanismo, Paisagismo, Desenho Urbano e Planejamento Urbano e Regional. Paulo é doutor e especialista em Edificação e Paisagismo.

Serviço

Lançamento do livro ”Textos sobre Curitiba – Investigações sobre a Cidade e seus arredores”

Quando: dia 02 de junho, às 19h;

Quanto: gratuito e aberto ao público;

Onde: Livraria Cultura (Centro da Loja, piso L3)


Shopping Curitiba

Rua Brigadeiro Franco, 2.300.

Curitiba (PR)

(41) 3026-1000 | www.shoppingcuritiba.com.br

@ShoppingCtba | www.facebook.com/ShoppingCuritiba

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Livro com depoimentos de Rafael Dely mostra evolução da cidade de Curitiba

24/01/2017 - Prefeitura de Curitiba

O prefeito Rafael Greca participou nesta segunda-feira (23) do lançamento do livro Curitiba, o Fazimento de uma Cidade, escrito pelo jornalista Marcelo Oikawa a partir do depoimento do arquiteto e urbanista Rafael Dely. O livro conta a história da transformação urbana de Curitiba com ênfase nas propostas e realizações que moldaram a cidade.

Rafael Dely (1940-2007) fez parte da primeira turma do curso de Arquitetura da UFPR, com brilhante carreira profissional e expressiva passagem pelo Ippuc e Cohapar, em especial na área de transporte coletivo e habitação popular.

Em 1971, ele apresentou a ideia do Sistema Trinário, formado pelas canaletas por onde circulam ônibus com vias laterais de tráfego lento nos dois sentidos e pelas vias rápidas nos sentidos centro-bairro e bairro-centro. O sistema não serve apenas como via de ligação como sempre se fez nas grandes cidades brasileiras. Combinado com uma lei de uso do solo, que permite a construção de prédios altos somente ao longo desse sistema, tornou-se a estrutural que direciona o crescimento linear do Centro em direção aos bairros.

"Ao trazer esse livro à publicação, vocês dão a Curitiba uma fonte primária da história. Uma narrativa em primeira pessoa. A memória é onde a nossa imortalidade se aplica. Vive novamente o nosso grande urbanista neste livro", ressaltou Greca, em um breve discurso durante o lançamento.

Na habitação, Rafael Dely tinha a visão integrada dos espaços com a cidade. Projetou exemplos de habitação como os conjuntos Atenas I, II, III, que são exemplos de moradia popular com qualidade e integração com a cidade. Foi também responsável pelo projeto das Vilas de Ofício em Curitiba e das Vilas Rurais no Interior do estado, que viabilizou casas e terrenos para mais de 200 mil trabalhadores no Paraná. 

domingo, 28 de agosto de 2016

Número de carros em Curitiba diminui pela primeira vez em uma década

27/08/2016 - Gazeta do Povo

Prestes a chegar a um milhão de automóveis, frota da cidade “estacionou” e começou a diminuir

Rogerio Waldrigues Galindo  

 | Daniel Castellano / Gazeta do Povo
Foto Daniel Castellano / Gazeta do Povo

Depois de passar por uma expansão explosiva nos últimos anos, a frota de automóveis de Curitiba estacionou e começou a diminuir. Dados oficiais do Detran mostram que desde o início de 2016, a cidade “perdeu” três mil carros, passando de 979 mil automóveis em janeiro para 976 mil em junho. Com isso, a frota já é ligeiramente menor do que a de dezembro de 2014, quando a cidade tinha 978 mil automóveis registrados.

O fenômeno, por enquanto, é típico da capital. No interior, os dados do Detran mostram que as frotas continuam aumentando. De janeiro de 2015 até junho deste ano, o Paraná aumentou sua frota de carros de 3,8 milhões para 4 milhões. Ou seja: a perda da capital mais do que foi compensada pelas outras cidades – o que significa que, no geral, o aumento de IPVA promovido pelo governo do estado na virada de 2015, não teve impacto.

LEIA MAIS: Veja a evolução da frota de carros e de veículos em geral em Curitiba:

Em Curitiba, a frota vinha crescendo a índices impressionantes. Em 2008, a cidade chegou a um milhão de veículos – o que soma não só os carros, como também motos, caminhões, caminhonetes etc. Em 2014, já eram mais de 1,4 milhão. Um aumento de 40% em apenas oito anos. A frota de carros subiu a 3% ao ano até 2014. Se mantivesse esse crescimento, 2015 seria o ano em que a cidade passaria de 1 milhão de carros. Mas isso não aconteceu.

Publicidade
veja também
Médico enfaixa perna quebrada por cima de roupa e tênis de paciente em SPForça Nacional chega ao Rio Grande do Sul para conter onda de violênciaSol e temperatura agradável levam curitibanos pra fora da “toca”
Em 2015, começou o ano mantendo algum crescimento, mas depois estacionou. No segundo semestre, entrou em queda. O fenômeno pode ter relação com a crise econômica, que afetou Curitiba com força, e com algumas medidas restritivas de trânsito adotadas pela prefeitura, como a adoção de limites menores de velocidade em algumas áreas. No entanto, parece não ter relação com uma desistência do transporte particular, já que o ônibus também perdeu passageiros.

Taxas

O IPVA, embora não tenha afetado outros municípios, pode ter tido efeito maior em Curitiba em função de locadoras de veículos, que colocavam seus carros para emplacar no Paraná devido à alíquota menor. Quando o governo aumentou de 2,5% para 3,5% o valor cobrado, em 2015, esse incentivo diminuiu.

O secretário de Estado da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, tenta neste momento reduzir as taxas do Detran no estado para compensar esse efeito e combater a “guerra fiscal” promovida por Belo Horizonte para atrair as empresas. Os mineiros reduziram as taxas com o objetivo de atrair 30 mil veículos desse tipo que estão hoje registrados em Curitiba.

Pela pacote de medidas enviado pelo governo à Assembleia, o governo poderá reduzir as taxas cobradas de locadoras até “empatar” com a de outros estados. O problema com a saída seria justamente a arrecadação de IPVA, que poderia ter um decréscimo de R$ 30 milhões ao ano.

Outros fatores que podem desestimular a compra de novos veículos em Curitiba são o aumento da frota de táxis, em 2014, a chegada do Uber e o fato de que a frota pode ter chegado naturalmente a uma saturação, com cerca de um carro a cada duas pessoas – o que, inclusive, teve consequências sérias para o fluxo no trânsito da cidade.

Ascensão e queda

Veja a evolução da frota de carros e de veículos em geral em Curitiba:

2008 - Pela primeira vez, a frota total de veículos de Curitiba chega a 1 milhão.

2012 - A frota total era de 1,25 milhão em janeiro e a cidade tinha 886 mil carros.

2013 - O crescimento continua e Curitiba começa o ano com 1,3 milhão de veículos e 915 mil carros.

2014 - Em janeiro, o número de carros sobe mais 3% em relação ao ano anterior e chega a 945 mil registros.

2015 - 0 número máximo que a cidade atingiu de carros até hoje ocorreu neste ano, com 981 mil registros.

2016 - A frota de carros chega a junho com 976 mil registros. O número total de veículos é de 1,4 milhão.

terça-feira, 16 de junho de 2015

Paraná busca novas opções de mobilidade urbana

12/06/2015 - A Gazeta do Iguaçu 

Secretário estadual de Desenvolvimento Urbano e o diretor-presidente da Coordenadoria da Região Metropolitana de Curitiba estão interessados no VLT cearense

VLT cearense serve de modelo para governo curitiba
VLT cearense serve de modelo para governo curitiba
créditos: Divulgação
 
O secretário estadual do Desenvolvimento Urbano, Ratinho Junior, e o diretor-presidente da Coordenadoria da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), Omar Akel, foram conhecer, na Região Metropolitana do Cariri (RMC), no Ceará, o modelo de VLT (Veículo Leve sobre Trilhos). Este modelo de transporte atende a população de diversas cidades do Nordeste e leva a cada viagem mais de 1.000 passageiros, com conforto, eficiência e eficácia, a custo baixo.
 
Segundo o secretário, em breve o Paraná vai iniciar estudos para analisar a viabilidade de implantação de VLT na Região Metropolitana de Curitiba. "Já temos uma gigante malha férrea implantada e que poderia ser usada para isto", diz Ratinho Junior. O secretário conta que o VLT da Região Metropolitana do Cariri (que abrange 11 cidades) é montado no Brasil desde 2009, com tecnologia alemã, pela empresa Bom Sinal. "Só em Natal, capital do Rio Grande do Norte, por exemplo, o VLT percorre um trecho de 50 km", diz Ratinho Júnior.
 
De acordo com o secretário, em toda a Região Nordeste é aproveitada a malha ferroviária já existente para o transporte de passageiros. "E todos os municípios por onde passa a linha férrea da Região do Cariri é área de influência na Região Sul do Estado e nas áreas de divisa com os Estados de Pernambuco, Paraíba e Piauí, levando transporte de qualidade e a preços baixos para toda a população". 

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Bairro da moda perde o fôlego

08/05/2015 - Exame, Especial Imóveis

Curitiba é o terceiro maior mercado imobiliário do país, atrás apenas de São Paulo e do Rio de Janeiro, segundo um estudo da consultoria Brain. No ano passado, porém, as incorporadoras reduziram o ritmo das construções, lançando menos de 4.000 unidades. "Curitiba chegou a ter quase 17.000 apartamentos lançados em um só ano. Era um patamar impossível de manter", diz Fábio Tadeu Araújo, diretor de pesquisa de mercado da Ademi, que reune empresários do setor. O estoque de imóveis diminuiu em bairros como Mossunguê/Ecoville, que entrou na moda das construções de alto padrão nos últimos anos e chegou a representar 15% dos empreendimentos na cidade. Depois de cinco anos, a oferta no bairro caiu para menos de 3.000 unidades.